PORTAL BANDA KU - BRASIL E AMÉRICA DO SUL

Google
 
Onde você encontra a orientação técnica que procura



(c) 2003-2010 G. Paiva Ass. e Cons. Ltda
Edição e Manutenção: Geraldo Paiva
Última atualização: 17.04.2010



COMO AJUSTAR O ÂNGULO DE AZIMUTE, O ÂNGULO DE ELEVAÇÃO, NO CABEÇOTE AZ-EL
PRELIMINARES

Diferentemente de uma antena móvel, cujo apontamento é feito através do ajuste dos ângulos de azimute (AZ) e polar, além do de declinação, a antena fixa segue um procedimento mais simples.

Primeiramente, ao conjunto de antena se adiciona um cabeçote a que se denomina AZ-EL, haste-parafuso de ajuste da elevação e parafuso de trava do cabeçote no azimute correto.

A primeira providência que se exige na instalação de uma antena, para que se alinhe corretamento com o satélite pesquisado é que o pedestal-coluna esteja perfeitamente na vertical. Na Figura 1 mostrada abaixo,  pode-se verificar a antena fixa e suas partes principais.

AJUSTE DA ANTENA NA ELEVAÇÃO QUE A ALINHE COM O SATÉLITE DESEJADO

Para alinhar uma antena,  a ser fixa,  com um satélite desejado, dois ângulos são necessários: o de elevação (EL) e o de azimute (AZ), além de se colocar o LNBF no plano de polarização correto. Todos esses ângulos são obtidos através de programas de cálculos ou de Tabelas preparadas, disponíveis em livros ou mesmo na internet.

Uma vez que se conheça o ângulo de elevação (EL), de cálculo ou de Tabelas, utiliza-se um inclinômetro para colocar a antena na elevação correta e depois trava-se o parafuso-haste de ajuste da elevação. Existem inclinômetros que podem ser comprados em lojas especializadas, mas, na sua ausência, pode ser construido um com o uso de um transferidor, um fio e um prumo, como exemplificado na Figura 1 abaixo.
CONSIDERAÇÕES FINAIS

O afinamento do ajuste, para melhor receber os sinais do satélie alinhado deve ser repetido tantas vezes, após o alinhameto inicial, para que se consiga o melhor desempenho. Mesmo depois de definido o azimute, é interessante repassar o ajuste, testando-se a recepçao com variações em frações de graus para a esquerda ou para a direita, até receber-se o máximo de sinal nos satélites da extremidade. Também, o ajuste do ângulo de elevação deve ser repetido, frações de grau para mais ou para menos, para buscar-se o melhor sinal dos satélites. O mesmo pode ocorrar com o ajuste de polarização do LNBF.
AJUSTE DA ANTENA NO AZIMUTE QUE A APONTE PARA A DIREÇÃO DO SATÉLITE

Há duas formas de se localizar o azimute zero: ou através da indicação do norte magnético de uma bússola, compensando-se a declinação magnética do local da instalação, ou através do uso da direção de apontamente de um conhecido satélite, do qual já se recebe normalmente sinal, marcando-se no pedestal-coluna diversos pontos referenciais correspondentes a diversos outros satélites.

No caso de se apontar para um determinado satélite e receber o seu sinal, marca-se a direção desse satélite através de um ponto a tinta no pedestal. Faz-se uma proporção entre o perímetro do tubo-pedestal, medido em mm ou cm, e a diferença de ângulo da posição do satélite sintonizado e zero graus. Ou seja, se podemos apontar a antena para um satélite posicionado a 70 graus oeste e se conhecemos qual foi o ângulo de azimute dessa posição, por exemplo 283 graus, fazemos uma regra de três, da seguinte forma e com os seguintes dados (hipotéticos):

Perímetro do tubo pedestal de diâmetro externo, por exemplo, de 89 mm = Pi x D = 3.14 x 89 mm = 279 mm

Giro de azimute de uma antena no pedestal = 360 graus

Azimute de apontamento do satélite posicionado em 70 graus oeste: 283 graus

Giro da antena para levá-la a azimute = zero graus = 283 graus

Regra de três:  360 graus está para 279 mm, assim como 283 graus está para "x".  Nesse caso, o valor inteiro de "x" é 218 mm.

Prepara-se uma fita de 218 mm de comprimento e abraça-se o tubo-pedestal, a partir da marcação de azimute 283 graus, com afita. Esse novo ponto de marcação é o de azimute igual a zero. Basta girar o cabeçote polar no tubo-pedestal até essa nova marca que a antena estará apontando para o azimute zero (azimute 360 graus).

Também se pode girar a antena no sentido contrário, pela diferença 279 mm - 218 mm, o que dá 60 mm. Nesse caso, a fita preparada deve ter 60 mm e não 218 mm.

O azimute zero, correspondente também a 360 graus, é a direção do local da antena ao Norte verdadeiro. O azimute (AZ) marca-se a partir da direção ao Norte verdadeiro, progredindo-se no sentido dos ponteiros do relógio.

O ângulo de azimute necessário para alinhar uma antena com um satélite desejado pode ser obtido através de programas de cálculo apropriado ou em Tabelas disponíveis em livros ou mesmo na internet.

A Figura 2 abaixo exemplifica como se marca o azimute (AZ) em torno de uma pedestal-coluna. Entre os valores ortogonais de ângulos, interpolam-se os demais ângulos.
AJUSTE DA SONDA DO LNBF NO PLANO DE POLARIZAÇÃO

Na antena fixa, além de se ajustarem os ângulos de azimute (AZ) e de elevação (EL), a sonda vertical do LNBF deve ser ajustada para coincidir-se com o plano vertical de polarização do sinal do satélite chegando à antena.

Quando se calculam os ângulos de azimute (AZ) e de elevação (EL), os programas fornecem o ângulo de polarização.

Para ajustar o LNBF no ângulo de polarização correto, veja como esse assunto está exposto em outra parte.